A BNCC é um documento que determina os conhecimentos essenciais que todos os alunos da Educação Básica devem aprender. Todos os currículos de todas as redes públicas e particulares do país deverão conter esses conteúdos.

Como a BNCC define os conhecimentos essenciais para toda a Educação Básica e é obrigatória, ela ajuda a diminuir as desigualdades de aprendizado: todos os alunos terão a mesma oportunidade de aprender o que é fundamental. Ela valerá para todas as etapas da Educação Básica, tais como Educação Infantil e o Ensino Fundamental e Ensino Médio.

A BNCC é mais específica, determina com mais clareza os objetivos de aprendizagem de cada ano escolar. Ela será obrigatória em todos os currículos de todas as redes do país, públicas e particulares, ao contrário dos documentos anteriores, que devem continuar existindo, mas apenas como orientação.

Não. A BNCC trata dos conhecimentos essenciais que todos os alunos têm o direito de aprender e que deverão constar, obrigatoriamente, em todos os currículos, de todas as escolas públicas e privadas do país. O currículo em si será elaborado por estados e municípios, com apoio técnico do MEC, dentro de suas respectivas redes.

Em 2020. A fase de implementação começou em 2018 e envolve várias ações que ficam por conta de estados e municípios, como a adequação dos currículos das redes e dos projetos políticos pedagógicos das escolas, a formação dos professores e adequação dos materiais didáticos. O MEC calcula que a fase de implementação dure cerca de dois anos a partir da homologação.

Isso mesmo. Todos os materiais didáticos deverão passar por revisões para garantir que seus conteúdos contemplem o que pede a BNCC.
 
Ainda em 2019. A Base inicia em 2020, mas ainda depende da adequação dos currículos das redes estaduais e municipais para chegar à sala de aula. Isso pode levar um tempo, mas vale ficar atento: algumas cidades, como São Paulo, já se anteciparam e começaram e elaborar um novo currículo a partir da BNCC em 2018. E, se a sua rede ainda não iniciou esse processo, deverá fazer em breve. Portanto, é fundamental já conhecer bem o texto para ter mais ferramentas para acompanhar esse processo.

Não. A numeração serve apenas para organizar os temas, não visa sugerir uma ordem para o ensino de cada habilidade. Isso ficará por conta dos currículos.

Todas as atuais disciplinas do ensino Fundamental — Língua Portuguesa, Educação Física, Arte, Língua Estrangeira Moderna, Matemática, Ciências, História e Geografia — serão mantidas. O Ensino Religioso é opcional para o aluno, mas a escola tem obrigação de oferecê-lo. Aliás, por ser opcional, ele chegou a ser retirado em uma das versões da Base, mas retornou, agora com o status de área do conhecimento.

Não é bem assim. O Ensino Religioso tem de ser oferecido, mas a Base deixa claro que seu currículo tem de ser não confessional. De acordo com o documento, a disciplina tem de “propiciar conhecimentos sobre o direito à liberdade de consciência e de crença, no constante propósito de promoção dos direitos humanos” e “desenvolver competências e habilidades que contribuam para o diálogo entre perspectivas religiosas e seculares de vida, exercitando o respeito à liberdade de concepções e o pluralismo de ideias, de acordo com a Constituição Federal”, por exemplo.

A introdução dos campos de experiência e expectativas de desenvolvimento de acordo com faixas etárias específicas são as mudanças mais marcantes. A BNNC estabelece competências que devem ser desenvolvidas pelos alunos, essa é uma grande mudança conceitual baseado na estrutura pedagógica, pois, para a BNCC, a criança age, cria e produz cultura. E não é mais uma mera receptora das mensagens que o adulto transmitia para ela por meio de disciplinas e conteúdos pré estabelecidos.

A  BNCC indica que as crianças devem estar plenamente alfabetizadas no final do 2º ano.
Não. A BNCC foi elaborada respeitando a carga horária regular atual, que é de, no mínimo, quatro horas diárias.
No portal http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Aqui você encontra tudo sobre a BNCC.